Vontade

















Eu quis o desejo nu que corta
o branco inútil do irreconhecível.
E as areias deram lírios
e a cinza distanciou
os dedos estendidos para a forma
para os planos e para as raízes;
e a sombra não disse
o gosto longínquo dos copos emborcados.


Guilherme de Almeida
Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...