O orvalho e a semente





















No inverno, o aconchego
O medo do sossego
No outono, as quedas
E algumas entregas


Mas é primavera
Depois da espera
E o verão virá
E também passará


Um pingo de orvalho
Naquela semente,
Parece dizer: essa primavera tá diferente


Engano: tudo se mistura
Enquanto a vida dura
E a dança das estações
Só se traduz a quem as sente.


Ana Helena Ribeiro Tavares
Postar um comentário

Horizontes

Pai não adianta as botas Se tiraste minhas pernas Num mundo de cotas Transformo-me em percentual Meus sonhos...