O orvalho e a semente





















No inverno, o aconchego
O medo do sossego
No outono, as quedas
E algumas entregas


Mas é primavera
Depois da espera
E o verão virá
E também passará


Um pingo de orvalho
Naquela semente,
Parece dizer: essa primavera tá diferente


Engano: tudo se mistura
Enquanto a vida dura
E a dança das estações
Só se traduz a quem as sente.


Ana Helena Ribeiro Tavares
Postar um comentário

Marinha

Teu corpo é mar com frêmitos frescos de ondas e fosforescência de espumas. Teu corpo é profundidade equórea, fil...