Rugas


















estrangeiro rosto
labirinto refletido
rio selvagem de rugas

silenciosa a mão
tateia devagar
crava os dedos

como se fosse
gritar defronte
ao espelho se

assombra e se
afoga no tempo
e angústia


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Horizontes

Pai não adianta as botas Se tiraste minhas pernas Num mundo de cotas Transformo-me em percentual Meus sonhos...