Interdito




















De mãos em punho
O Passado
Chega a cada instante
E investe contra meu peito

O Passado é o murro que me açoita

A cada açoite
A face do Presente evanesce
O futuro a recolhe
Sorvendo-a
Roubando-me o Meio

O Tempo erra-me
Decreta-me
Interdito!

Sou apenas um patético corpo
Orgânico
E hipotético de uma história inacabada

Existência fadada à eternidade etérea da
memória
Povoada por fantasmas

Eu perdi meu itinerário
No interlúdio melancólico da Saudade


Wanda Monteiro
Postar um comentário

Canção amiga

Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos...