Interdito




















De mãos em punho
O Passado
Chega a cada instante
E investe contra meu peito

O Passado é o murro que me açoita

A cada açoite
A face do Presente evanesce
O futuro a recolhe
Sorvendo-a
Roubando-me o Meio

O Tempo erra-me
Decreta-me
Interdito!

Sou apenas um patético corpo
Orgânico
E hipotético de uma história inacabada

Existência fadada à eternidade etérea da
memória
Povoada por fantasmas

Eu perdi meu itinerário
No interlúdio melancólico da Saudade


Wanda Monteiro
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...