O Imigrante
















Aonde coloquei meu coração?
Meus sonhos chegam aos meus olhos
A esperança arde em meus olhos
Novas palavras vêm a minha boca
Como uma criança que mastiga
Silabicamente suas primeiras falas


Um cheiro de terra nova
Meus pés precisaram conhecer
Não faziam parte dos meus planos
Mas é a realidade que pisam meus pés
Aprender a te amar é necessário
Encontrar em ti o que perdi


É no meu lar que encontro paz
Onde está o meu lar?
Nas terras longínquas que ficaram para trás
Com o meu aroma e as minhas raízes
Com os meus alicerces e diretrizes


Onde está meu lar?
Nas novas portas abertas
Pintadas por outros que não são meus
Nas novas fronteiras e costumes obedecidos
Nas afrontas e preconceitos recebidos.



Eu vou te amar minha nova pátria
Meus filhos serão teus filhos
Seus juramentos serão meus juramentos
Casado pela gratidão da nova vida
Encoberta dor da viuvez.


Minha canção eterna
Eu não vou te esquecer
Argila do que sou feito
Pois não te serei desconhecido
Se puder te encontrar outra vez.



Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos

18/06/2016 – Nova Iguaçu
Postar um comentário

Idade

Mente o tempo: a idade que tenho só se mede por infinitos. Pois eu não vivo por extenso. Apenas...