Pinturas da cidade
















O dia se fecha às luzes apavoradas
O concreto das faces dança no gelo
Tropas e embarcações fantasmas
A guerra de álcool e sexo,
Gritos, redemoinhos e postes no caos
Neons misteriosos de bruxarias eternas
Tudo se redescobre na brisa fria
Putas cultas e mulheres tão tolas
Os carros engolem as ruas
Com seu plástico metálico, pneu de asfalto
Os palhaços se aglomeram
As visões se atropelam
Tolos em volta do fulgor dos copos
E da falsa promessa terna
Somente interessa seu líquido escuro
Ofuscado por um simples levantar
E a cabeça procura...
Horizontes de todos os lados
Os perfumes liberam as peles: o cheiro
O ar tão colorido e palpável
O cachaceiro, o cachorro, os círculos tribais
Segredos da visão ébria
Desenhos mortais e moribundos
Perdidos na enchente de ar antigo
As figuras conversam comigo
Nobres e fugazes,
Contam histórias enterradas
Almas quebradas, livres para irem
Para um lugar onde nunca estive
Enquanto escoro meu estúpido corpo
Mas aceno e ergo sorrisos,
Feliz por partirem
A eterna seiva de vida
A todos nessa jornada,
De uma noite jorrada
Nos canais da cidade.
Esfrio os ossos e abro as pupilas
Estou bem no meio do caminho
Soa a ponte no corredor

Das pinturas da cidade.



Lucas Alvim
Postar um comentário

Crer

Creio em mim. Creio em ti. Deus, onde mora? Na vontade de crer que me consente humano e ardente. No meu repouso em ti, qu...