Hermético


Em minhas pradarias
não praias
desceu a espuma láctea
do cheiro melancólico de um mar,
agora distante e subterrâneo.
O seu metal dura
dura mais que qualquer uva
mais que seu trilho
mais que sua ferrugem
mais que seu calor fosco
ombro de seu lombo
eco de sua ecologia
cristalizada.
É difícil rompê-lo
tento sujá-lo, para que não brilhe
em meus ossos desertores
transformando-me na terra
que me enterra
e me protege do nu frio
do céu vertical
de mil cavalos.
Basta me acostumar,
hirsuto e fastio,
me comprimindo
no comprimido
que juntou suas fendas internas
e removeu seu ar,
transpirando,
para tomar com um copo d'água,

antes de dormir.


Lucas Alvim




Postar um comentário

Poética

Alguma palavra, este cavalo que me vestia como um cetro, algum vômito tardio modela o verso. Certa forma ...