Sempre de Manhã














Deve acreditar-se no moço
Deve valorizá-lo o esforço
Em carregar a régia esperança
De recomeço, de novas alianças.


O que adiantei quero o reembolso
Alguns pensamentos no bolso
Quero bailar como criança
Mas sentir nos pés os calos das andanças.


A garra de quem luta pelo almoço
A luz que brota no calabouço
Nas almas sem futuro ou lembranças
Encontrando o equilíbrio e a perseverança.


A alegria efervescente dos jovens em alvoroço
A vida primitiva contida no caroço
Das frutas, adoçam as semelhanças
Com um futuro garantido como herança.



Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos


Postar um comentário

Idade

Mente o tempo: a idade que tenho só se mede por infinitos. Pois eu não vivo por extenso. Apenas...