ACIMA DAS SERRAS



Acima das serras
minhas guerras internas se dissipam
As nuvens convertem a incerteza insípida
em tranquilidade e calmaria

Perto do céu nós estamos mais vivos
Do alto das colinas se respira o alívio
A avenida se ilumina com os astros
Nossos passos viram fogos de artifício

Desliza de pantufa sem perder a pose
Desmancha ao céu da boca um biscoito doce
As vitrines se enfeitam de estrelas
Entre o altar e os vitrais a gente faz a prece

Tanta gente que aparece em meio a nossa foto
Tem pingente na feirinha de artesanato
Nossos laços se renovam de frente ao palácio
Querer se acocar por lá é coisa lúcida

Pipoca na praça amanteiga o passeio
Aperta mais o passo pra partida às oito
O desejo que fica é de uma breve volta
Desce da brisa fresca que amanhã tem praia

E mesmo que o sono te esconda as montanhas
teu amor tem grandeza tamanha
que me faria proclamar algum decreto
se eu fosse rei e isso não fosse algo secreto
De confrontar teus olhos sempre com o inédito
E fazer do teu coração o meu império


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...