Café da Tarde















Antes aquele brilho nos olhos que fora perdido
Brotou na luz da esperança do prometido
Como isto sustenta as forças do convalescido
Perante escolhas que nos foi permitido.


O que somos é mais do que aparências
Do absoluto para nossas carências
Do nosso idioma a nossa fluência
Da fé o aroma para a consciência.


Como é amargo beber da saudade
Falta o açúcar da longanimidade
Como petrifica nossa espiritualidade
O clamor profundo da identidade


Na busca braçal da vitória
As letras, a tinta são acessórios
Na fórmula homem, tempo e história
Por uma sólida e durável glória.




Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos
Postar um comentário

Idade

Mente o tempo: a idade que tenho só se mede por infinitos. Pois eu não vivo por extenso. Apenas...