No fulgor do aconchego



























De tudo canto ao profundo,
que nele e sempre a voz se crispa.
Nas pernas dela eu moribundo,
e sem arestas não há mais prisma.


De tudo falo e não deleito,
de tuas pernas cândido aos versos.
Se estou preso é por teus seios,
de beijos pálidos nos quais eternos.


No teu gracejo eu inocente,
e pura pálpebra de cintilante.
Nas entrelinhas amor demente,
e tão ardente quanto exultante.



Daniel Muzitano
Postar um comentário