Então me amanheço.
devagarinho,
pouso meus raios
na tua face molhada
que aquece o meu banhar
e o teu mergulho.
espreguiço em ti,
não a calma deste dia
mas a fúria do idílio.
cabe um poema quente
entre as linhas, silêncio:
teus dedos entrelaçam
os meus.
olhares, risos e conversa rasa
pão na chapa e café
na padaria da praça.


Paula Beatriz Albuquerque
Postar um comentário

Sonho

Qualquer coisa de obscuro permanece No centro do meu ser. Se me conheço, É até onde, por fim mal, tropeço ...