Um tango para um solitário


























uma noite dispersa
um tango tocado
um corpo ocupado
por um corpo de alguém


não há festa
só um sorriso trocado
um beijo julgado
do mundo um refém


me dá o que resta
deste rosto humilhado
deste momento comprado
numa estação de trem


não me venda, me empreste
este teu corpo assustado
este teus olhos cansados
da noite e seu harém


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...