Leve Desespero


















com toda sua leveza
as horas passam
levam de mim o que não posso perder...
meu titulo de nobreza
são minhas mãos vazias
e meus sonhos
livros de prateleiras
nunca serão lidos.


meu sangue vermelho
minha tristeza oculta
nisto me assemelho
a um ser humano


nada posso te dar
pois nada tenho
do que esses versos sem recheio
do que meu corpo gordo e feio


as incertezas para muitos
são um caminho de aventura
as recebo com ternura
na minha sacola de viagem


das desculpas nos enchemos
degustando meus conflitos
cheio de detritos
pessoais


me perco com óbvio
me canso no ócio
das perguntas sem respostas
nisto que me oponho
consumindo meus neurônios
... faço um rascunho
que são apenas rabiscos
que não dizem nada.


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...