A Seiva do Direito
















Travou-se mais uma luta
Não deixe o que não se deixa
Se derrame, com choro e com queixa
Pelo diamante da disputa


O teu direito é muda
que cresce, floresce até ser o Direito
Árvore grande de árduos preceitos
que não se cala, nem é surda


perante o grito estampido
da boca que se levanta
pela floresta que acampa
o direito adquirido


Só ficarei completamente satisfeito
quando o silêncio não se ouvir
diante da injustiça que vem consumir
todo ordenamento do Direito.


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Ao Rudolf vo Ihering o Idealista do Direito
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...