sou um animal de ruínas ilógicas
vocifero o timbre
tambor de meu chão
sou um animal que viceja 
nos meus braços há muitos pássaros
e uma ópera de dor consciente de existir
em colisão com o tempo
meu confidente e inimigo

Carlos Orfeu
Postar um comentário