Rasha

















Despertei com alma no cio
A boca seca de algo em estio
Força desembainhada no fio
Para quem quiser testar


Sonhei com a brisa e nuvens macias
Sono guardado na memória de noites e dias
Mas as pedras da asfixia
Não deixaram apagar


O amor que não bebi
A amizade que não reguei
A dívida que não contraí
A promessa que não paguei


A carta que não escrevi
As bocas que não beijei
O desejo que não traí
A verdade que não falei


O algo que não percebi
A mentira que não tramei
O perdão que não parí
A mágoa que não libertei


Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos
Novembro 2015


Postar um comentário

O Navio Negreiro

“’Stamos em pleno mar… Doudo no espaço Brinca o luar – dourada borboleta; E as vagas após ele correm… cansam Como...