GOTAS DE HIEL


















No me cantes: siempre queda
a tu lengua apegado
un canto: el que debió ser entregado.


No beses: siempre queda,
por maldición extraña,
el beso al que no alcanzan las entrañas.


Reza, reza que es dulce: pero sabe
que no acierta a decir tu lengua avara
el sólo Padre Nuestro que salvara.


Y no llames la muerte por clemente,
pues en las carnes de blancura inmensa,
un jirón vivo quedará que siente
la piedra que te ahoga
y el gusano voraz que te destrenza.






GOTAS DE FEL


Não cantes: sempre fica
à tua língua apegado
um canto: o que faltou ser enviado.


Não beijes: sempre fica,
por maldição estranha,
o beijo a que não chegam as entranhas.


Reza, reza que é bom; mas reconhece
que não sabes, com tua língua avara,
dizer um só Pai Nosso que salvara.


E não chames a morte de clemente,
porque, na carne que a brancura alcança,
uma beirada viva fica e sente
a pedra que te afoga
e o verme voraz que te destrança.



Gabriela Mistral - Trad. de Ruth Sylvia de Miranda Salles
Postar um comentário