Conflito





















Tenho medo das águas do destino,
a invadirem o que penso e faço,
numa linha de infinda
contradição.


Eu sou assim:
quero fugir, mas chamo,
quero ficar mas me assusta
não ter em mim nada seguro
e certo.


Nunca receio a alegria,
para qual todos os milagres
são normais.


Mas quando tarda quem amo,
meu coração fica exposto
e aberto.


E mesmo assim eu persisto,
e ainda assim espero
ainda, como criança sozinha
atrás do muro.


Lya Luft
Postar um comentário

O canto de um bardo

Sem sabor Mastigo o meu intimo Nestes dias escuros Sem escolhas Como um pobre arrimo Para fora dos muros...