Chegas

















Chegas, e de repente eu me pergunto
como pude ser poeta antes de ti,
antes de nossas horas encandeadas...
Como pude escrever coisas que agora
me parecem belezas mutiladas...


Chegas, e de repente me surpreendo
de que ainda haja surpresas para o amor,
marcado como estou de cicatrizes...
Eu que escrevera um dia amargurado:
"agora, em meu caminho, só reprises"...


Chegas, e eu adolesço de alma e de corpo
e de repente, num verão que abrasa
como nunca pensara nem supus,
sou todo novos ramos, verdes ramos,
sou todo sol numa eclosão de luz...


J. G. de Araújo Jorge
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...