O Homem Povo



















Vejo o andar pesado de um povo
Andar humilde que abraça
Anda que figura em todas praças
É água nascente em qualquer poço


Garoto, velho e moço
Grito ardido no peito
Nunca cantares o teu feito
Pois nasceu e morreu povo


De andar na terra estava cansado
Das auroras e dos porvir
Por isso teve que partir
Para o mundo do outro lado


Sinto agora tua falta
Homem povo que foi embora
No andar lento de porvir e auroras
Astro eterno da ribalta.


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

O impossível carinho

Escuta, eu não quero contar-te o meu desejo Quero apenas contar-te a minha ternura Ah se em troca de tanta felicidade que me ...