Canção do Sexo


























O coração, uma bomba pulsante
diante do hálito da carne
Radiante, se esconde
no crepúsculo da tarde


Os olhares insinuantes
a boca que arde
o sexo clamante
disfarçado de charme


A existência distante
da existência de Sartre
O fluir de instantes
do verso Verlaine


Como a música errante
caminhas para Marte
Corpos exultantes
objetos de arte.


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...