Pacificada















Que liberdade essa
De encarar a dor
De não querer mais
Curá-la
De chamá-la para uma conversa
Quase todos os dias
E dizer: - senta aí.

Quase o amor obrigatório e
Doído
Por uma parenta velha
Doente, chata e longeva
Que a gente aceitou
E que não pode mais pôr
Para fora de casa.


Adriane Garcia
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...