Luar


















Quero ver-te banhada pela lua
Quero ver-te como lua
Simplesmente lua
Com as saliências e a beleza crua
Que a luz clareou na tua pele.

Não fique longe dos meus olhos
Não fuja minha prateada lua
De acariciar silenciosamente
A minha rua
E a minha solidão.

Quero ver o teu lado obscuro
E cair nos teus braços
Na ponta dos pés sobre os muros
Como um equilibrista no espaço.

Quero te ter cheia
Cobrir meu copo e meu corpo
Como uma farta ceia
Para meus sonhos.

Quero tua presença e teu mistério
Do folclore a realidade
Do encanto ao carinho clandestino
Da métrica claridade.

Henrique Rodrigues Soares – Pra Fora. Por Dentro
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...