Fósseis



















Desenterramos verdades e complicações
Escavamos identidades e sentimentos
Que com suas histórias nos afetam
Que com suas memórias nos arremetam
O tempo que ficaram para trás

Quantos anos foram dados a estes versos
Quantos escombros sobre os remorsos
Que ficam nítidos com as pás, espátulas,
Picaretas e pinceis trabalhando.

E os achados ganham vida
Quanto mais estavam submersos
O seu valor, a sua descoberta
Nos transmitem um regresso

De algo necessário descobrir
Para nos descobrirmos
Diante do tudo que nos vestimos
Entre o tanto de chegar e de partir.



Henrique Rodrigues Soares – Pra Fora. Pra Dentro
Postar um comentário

Canto III

O dorso que se curva elegante desenha na memória a leve dança da bailarina grácil, celebrant...