Cabeceira
























Intratável.
Não quero mais pôr poemas no papel
nem dar a conhecer minha ternura.
Faço ar de dura,
muito sóbria e dura,
não pergunto
'da sombra daquele beijo
que farei'
É inútil
ficar à escuta
ou manobrar a luta
da adivinhação.
Dito isto
o livro de cabeceira cai no chão.
Tua mão que desliza
distraidamente?
sobre a minha mão


Ana Cristina Cesar
Postar um comentário