Ato de Sonhar

















Quando te perdi... não sei?
No vôo límpido
Livre da borboleta?
Na escrita grafite
Apagada docemente pela borracha?

Só sei... que me dói!
Como horas arenosas
Que escaparam na ampulheta
Como um palpite
Rancoroso sobre lágrimas.


Henrique Rodrigues Soares – Pra Fora. Por Dentro
Postar um comentário

Canto III

O dorso que se curva elegante desenha na memória a leve dança da bailarina grácil, celebrant...