há no dito
um não-dito
oculto

duplicando-se
no outro
e avizinhando-o

nessa teia
infinita da linguagem
que em nós é nada

espaço
tempo
fluxo

tece-se entre
a dupla boca
e o labirinto do discurso

o animal estrutural
feito de saliva
e desejo



Carlos Orfeu
Postar um comentário