Ressurreição


















Porque a forma das coisas lhe fugia,
O poeta deitou-se e teve sono.
Mais nenhuma ilusão apetecia,
Mais nenhum coração era seu dono.


Cada fruto maduro apodrecia;
Cada ninho morria de abandono;
Nada lutava e nada resistia,
Porque na cor de tudo havia outono.


Só a razão da vida via mais:
Terra, sementes, caules, animais
Descansavam apenas um momento.


E o vencido poeta despertou
Vivo como a certeza dum rebento
Na seiva do poema que sonhou.




Miguel Torga - Libertação - 1944
Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...