Morte Íntima
























Quatro sílabas viajam
no rumo de ninguém.
Quatro caladas mágoas
já sem uso em palavras.
Língua cortada, o eco
regressando à origem
que se presume oblíqua
anterior à linguagem.


A ideia segue a sílaba
em seu perecimento
mantendo-se intranquila
durante algum momento.
Sejam dias ou séculos
igual será o lamento
desse ruído – som morto
cavado na laringe.


Persista embora o símbolo
constante do alfabeto
os signos não reunidos
jamais na mesma sílaba
lerão palavra idêntica
a essas duas minúsculas
outrora pronunciadas
carreando emoções mágicas.


A morte dessas sílabas
completa a do indivíduo.




Fernando Py - 
(de A construção e a crise, 1969)
30-05-1966

Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...