Fotografia: Jerry Uelsmann


















o mar lateja murmúrios
depósitos de séculos
sereias de harpas poluídas
garrafas pet de escamas

espermas bóiam filhos invisíveis

um fêmur de cavalo parece leve
no ritmo azul martelando na areia
como fosse um cão de escumas e algas

o mar morde artelhos e o mergulho do atleta
e ainda sofre o abuso das gaivotas
bicando seu dorso selvagem


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...