Homem!















Se a vida te pedir sempre o teu suor, enquanto
puderes, com a exaustão do corpo o solo rega!
Vês-me? fui sempre assim: se me fatigo, canto,
se o meu corpo trabalha, a minh'alma sossega!

Se a vida te pedir ainda o teu sangue, pega
do corpo e rasga-o nos espinhos com um santo!
O teu sangue e o teu suor de herança à vida lega
e viverás feliz como que por encanto!

Vês-me? por que é que vivo ainda, ante o teu espanto?
porque me esqueço da alma e dou o corpo à refrega!
Mas se a vida pedir-te uma lágrima, nega!

mas nunca dês à vida o suor d'alma que é pranto!
Ela não o vê nem ouve, ela é surda, ela é cega
a vida e toda, toda em si não vale tanto!...


Attilio Milano - In Todos os Poemas
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...