Do último poema
















sem tantas palavras
mas uma infinidade de sensações
sem tanto adeus
mas um para sempre
recheado de agoras
antes a vida não era
apenas passava
agora a vida é sempre
abraço o que vier
passo quando o beijo do já
infinita a vida
saboreio o íntimo pulsar do mundo
em lugar da triste espera
infinitei a alegria de amar
sem tantas palavras
e sem nenhuma explicação
a poesia faz morada no silêncio
faz ninho de maravilhas na pele
depois desse poema
não te direi mais nada
as maravilhas são pássaros
que voam na alegria de voar
enquanto o amor é o ar, o sol, o céu
que permite voarem as maravilhas


Luiza Maciel Nogueira
Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...