Declaração


























Declaro ao céu, ser tua, do teu jeito,
Desenhando em teu corpo ternura,
Desejos que me invadem mil loucura,
Por noites mágicas, ao teu leito...

Receberás o meu néctar liquefeito,
Dos lábios escarlates com doçura,
E a tua boca louca na procura,
Do amor, que anseio e não rejeito!

Arrebatados, de prazer embriagados,
Seremos dois amantes transformados,
Ao delirante verso que componho...

E nas noites mágicas como esta,
O Luar lá ao céu faz a sua festa
Enfeitando nossos corpos pela fresta!



Efigênia Coutinho
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...