O Silêncio da Quarta Rosa



















Silêncio, eternidade, eis que desperta,
a rosa de Sarom do meu poeta;
se, um dia, por espinhos encoberta...
Agora ela acalenta esta alma inquieta.


Porque, na rosa-amor, a descoberta,
que nêle minha vida está completa.
Eu sou sua ventura, justa e certa,
ele é minha vontade mais secreta.


E hoje, quando ele se perde em mim,
e em nós a paz é cântico sem fim...
Nosso caminho é senda de prazer.


De sonhos, de loucuras, de harmonia,
qual sol que entrega o fogo à luz do dia...
E à noite em nossos corpos vem morrer!


Patricia Neme
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...