O Novo

















Do estático como se movo
Do elástico ao que se alcança
As flores sempre com seus renovos
Brotam uma nova esperança

Contraio os pensamentos e me revolvo
Para enquadrar-me nos consentimentos
Distraio-me e no que envolvo
Por necessidade ou entendimento

Esse cheiro bom que vem do novo
Sobrevoa como combustível as emoções
Se sobra algo nada devolvo
Do que arrebata corações

Com tantas tentáculos de polvo
No arredio olhar das atrações
Como grávida assim é o povo
Que sorrir nas dores e contrações.

Henrique Rodrigues Soares – Pra Fora. Por Dentro.
Postar um comentário

Janela do caos

1 Tudo se passa Em Egitos de corredores aéreos Em galerias sem lâmpadas À espera de que Alguém Desfira o violoncelo - Ou...