a calma se esvai pelas horas
as horas crescem no escuro
vem sofreguidão das pálpebras
que se fecham e se abrem

o cansaço dos músculos que se recusam a repousar
os demônios acordam assombrando o silêncio
vem o instinto aflorado de erguer e soerguer a fé
na oração dita e redita como mantra
o abrir a janela e a cuíra de olhar para o céu
em busca de respostas nas estrelas

a lua me espreita
assim como Eu
insone

o desejo do sonho se contorce na insônia

mas como posso dormir se a noite sempre me encharca de dúvidas.


Wanda Monteiro
Postar um comentário

Nós - IV

Quando as folhas caírem nos caminhos, ao sentimentalismo do sol poente, nós dois iremos vagarosamente, de braços dados, como ...