o perfume escapa
das flores despedaçadas

o azul acorda a asa do pássaro
colheres na espiral do café
dialogam com as mãos

músculos e nervos
se levantam como plantas
no incansável não-sentido do dia


Carlos Orfeu
Postar um comentário