Vá de Bike
























Quando te sentires preso
Quando lhe faltar a prosa
Quando lhe enxergar a rosa
Leve a liberdade na garupa

Vá onde achares longe
Onde houver uma ponte
que avance com o vento
em qualquer ponto do mundo

Quando faltar palco e público
pra ouvir o teu discurso
pra seguir no teu circuito
Faz da ciclovia tua própria carta

E escreva a cada curva
Faz do teu caderno o asfalto
Pinta a avenida turva
Se liberta e vá de bike


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Diz Mal do Amor que o Feriu Inesperadamente

Era o dia em que o sol escurecia Os raios por piedade ao seu Fator, Quando eu me vi submisso ao vivo ardor De teu...