O pão nosso de cada dia












Fim do expediente
Os sapatos de todos
Apertam os pés
(O asfalto vai do chão ao céu)

Uma multidão
Sem sentir
Faz fila
E coleia na avenida

Levo uma carta ao correio
Ponho perfume
Descobri meu grande amor

(Em hora imprópria lembro-me do
Crítico
Ele execra
Poesia do cotidiano)

Mas numa esquina
Um homem
Tenta vender
Aos berros
O mapa da Ucrânia.

Adriane Garcia
Postar um comentário

Idade

Mente o tempo: a idade que tenho só se mede por infinitos. Pois eu não vivo por extenso. Apenas...