UM TANTINHO DE FELICIDADE























É tão raro, como um lapso
que de tão rápido não seria captado
pela foto, nem por testemunhas
nem pelos radares

o que os relógios não pudessem registrar
e a memória não deixasse apagar
qual a conta da soma dos poucos
vai dar a impressão de ser suficiente?

Qual das esperas será mais serena?
Qual vai ser o gosto da angústia?
Qual cena vai ser destaque
nos teus melhores momentos?

Quanto tempo vai durar o instante
que te faz se perder no tempo?
Quando a luz se apaga
e se sonha em fuga...

Quando tudo é quase nada
qual palavra vai ser mais precisa?
qual ação faz repensar a vida?
como caber no verso sem ferir a métrica?

Antes que os despertadores
berrem realidade
Qual ajuste dos ponteiros
vai me dar um dia inteiro
pra que eu conte 'inda nos dedos
um tantinho de felicidade


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...