Favelização















O aço escorou, num perfil bem soldado,
as tramas do cesto de palha da cata
dos milhos que brilham nas juntas do junco
que cobre as cabeças das mulheres da roça
que seca até o solo sob o sol das dez.
E arriou sobre uma terra urbana:
é a vista do morro à noite.

O concreto armado firmou com seu traço,
entre as tranças e nós de uma rede de pesca,
pequenos cacos de escamas de peixes
que sobram nas mãos dos homens do mar
e brilham na luz da lua das três.
E estendeu sobre uma montanha urbana:
é a vista do morro à noite.

(O armado soldado traçou com seu aço
a rede de pesca, de tranças, de nós
que nasce nas mãos de homens de palha
que secam o mar de mulheres concretas
que escoram seus peixes já mortos na trama.
E lançou sobre uma terra humana:
é a vista do morro à noite.)

As firmes cabeças que enchem o solo
trazem na luz da lua das três
milhares de cestos com os sóis das dez
que surgem do brilho das juntas das mãos
que plantam pra cata de frutos concretos.
E espalham sobre uma terra urbana:
é a vista do dia do morro.


Ellen Rose
Postar um comentário

Estão Todas as Verdades à Espera em Todas as Coisas

Estão todas as verdades à espera em todas as coisas: não apressam o próprio nascimento nem a el...