Éden




















Depois que me cobri
Descobri o pecado
Ao compreender tudo
Fui enganado
De minha carne
E ossos aprisionados
Pelo desejo dos olhos
Que foram encantados


Perdi o jardim
E abreviei a vida
Entre tudo livre
Preferi a proibida
Troquei o divino
E minha eternidade
Pelo calor do sangue
E a vulnerabilidade


Se deus queria ser
Quebrei o servo
Em que fui torneado
Naufraguei no saber
Como um condenado.


Henrique Rodrigues Soares – Horas de Silêncio


Postar um comentário

Marinha

Teu corpo é mar com frêmitos frescos de ondas e fosforescência de espumas. Teu corpo é profundidade equórea, fil...