Nocturnos de Chopin





















Ouça bem os teus ouvidos
Radiante o som dos nocturnos
Chopin, iluminando o escuro
Das almas dos vivos


Teologicamente surpreendido
Pelas pegadas do fortúnio
Um verso claro e puro
É disto que preciso


Os desejos são encardidos
Empoeirados pelo infortúnio
Cheios de concertinas e muros
Com placas de avisos


Que tudo é proibido
E sonhar é confuso
E viver inseguro
E amar é perdido.


Henrique Rodrigues Soares - O que é a Verdade?
Postar um comentário

Poética

Alguma palavra, este cavalo que me vestia como um cetro, algum vômito tardio modela o verso. Certa forma ...