Bright Star


















Bright star, would I were stedfast as thou art--
Not in lone splendour hung aloft the night
And watching, with eternal lids apart,
Like nature's patient, sleepless Eremite,
The moving waters at their priestlike task
Of pure ablution round earth's human shores,
Or gazing on the new soft-fallen mask
Of snow upon the mountains and the moors--
No--yet still stedfast, still unchangeable,
Pillow'd upon my fair love's ripening breast,
To feel for ever its soft fall and swell,
Awake for ever in a sweet unrest,
Still, still to hear her tender-taken breath,
And so live ever--or else swoon to death.


John Keats
Imagem da Internet: Ben Whishaw as John Keats in Jane Campion’s Bright Star, 2009; Joseph Severn’s miniature of Keats, 1819

Tradução: desconhecida.



Estrela brilhante, que eu estava fiel como tu-
Não em esplendor solitário pendurado no alto da noite
E olhando, com tampas eternos à parte,
Como paciente da natureza, Eremite sem dormir,
As águas se movendo em sua tarefa priestlike
Margens humanos ablução de puro da Terra redonda,
Ou olhar sobre a nova máscara de soft-caído
Da neve sobre as montanhas e os mouros-
No-mas ainda firme, ainda imutável,
Pillow'd sobre o amadurecimento do peito do meu amor justo,
Para sentir-se para sempre a sua queda suave e inchar,
Awake para sempre em uma agitação doce,
Mesmo assim, ainda de ouvir sua respiração tomado-concurso,
E assim viver sempre, ou então desmaiar até a morte.
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...