Mar Morto















Quando tudo era simples
Nasci um veio d’água
Aprendi, cresci com limites
Mas na busca de espaços
Tornei-me pequeno riacho


As manhãs chegaram simples
Com o cheiro do algo novo
Que procura até encontrar
Rompendo pelas terras e florestas
Carregando até que não queria ir
Para ver o mar, para ser o mar


Perdido fiquei na metrópole mar
Já não havia terra e nada para buscar
Afoguei-me, sendo mar
Liberei o meu mal sujando o mar


Perdi o doce no oceano
Mar salgado levou minhas águas
Doces, e sujo fiquei salgado
Um mar morto na noite suja


Antes fosse ainda um rio
Um pequeno riacho
Com o doce da vida que pensei encontrar
Quando chegasse ao mar


Acordei no meio da noite
E me entreguei ao mar
Minhas mãos suavam
Achei que estava morto


Lágrimas brotaram nos meus olhos
Salgados e muito salgados
E pelo caminho do sal
Conservei minhas dores.



Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos
Postar um comentário