regresso aos teus braços
tal qual fluxo marinho,
que sedento e com frio,
se deixa embeber
pela saudade da areia.
Tu me absorves as lacunas do tempo,
em busca de colo e lençol
para embalar memórias doídas.
Mas tu és o meu ninho.
com o sopro dos teus gestos,
eu, dente de leão,
me refaço ao léu,
lá onde nasce o riacho
do infinito. Me banho de ti.
lembro dos olhares
repletos de beijos.
Respiro a placidez de tuas broncas
como a dor da falta de fôlego
por amar até tuas cobranças.
suspiro uma pontada lancinante do teu som
é saudade de cada detalhe
das tuas imperfeições.
Teus retornos não têm partidas
Entendi que deixas teu coração
sempre pousado em meus ombros.
Voe com minha cor.


Paula Beatriz Albuquerque
Postar um comentário

Visita

O poeta esteve aqui Disse-me que viu sorrir Meus olhos em suas mãos... Como mente este poeta Com sua...