Amor em Braile

















Você que se juntou à multidão
só pra subestimar os meus sentidos
Você desafiou, fez desaforo
e eu tive que deixar meu faro ativo

Com você fiz teste cego
Consciente, abdiquei dos olhos
Te lia então com os meus dedos
Na geografia da tua forma

A métrica do teu sorriso
encaixa perfeito no verso
O cheiro se fez possuído
no teu perfume que detecto

O lábio era prova final
Tão sã a textura da boca
Bem antes do beijo fatal
Bem antes do cair da roupa

Só com o teu sussurro
e o frescor do hálito
descobri seus hábitos
e o tipo sanguíneo

Teu DNA e teu dono
Te conheço como a minha palma
A mão deste amor em braile
chega até tocar tua alma

O que eles chamam de olhos
Eu chamo de meros detalhes


Alan Salgueiro

Postar um comentário

Soneto XIX

Tempo voraz, corta as garras do leão, E faze a terra devorar sua doce prole; Arranca os dent...