De Mim




















Devo convencer-me a viver entre os demais –
mesmo sofrendo da aguda sensação
de sentir-me como um peixe atônito
flutuando sobre uma multidão
que se forma e deforma.
Mas não pretendo renunciar aos atributos do humano. E, tampouco,
deixar de comover-me com o mundo,
enxergando nos invisíveis cotidianos
o íntimo absurdo da impermanência
do tudo que há em mim
e do tudo que há nos demais.


Wanda Monteiro
Postar um comentário

A instabilidade das cousas do mundo

Nasce o sol e não dura mais que um dia. Depois da luz, se segue a noite escura, Em tristes somb...