A tua casa é o meu coração

















A tua casa é o meu coração 
e o teu perfume enche de nostalgia as minhas noites. 
Pelos meus braços vens caminhando nua, com a doçura da gazela 
e a brevidade suicida das flores do hibisco. 
O meu coração dá abrigo a um grande amor, 
como a palmeira protege as tâmaras dos ventos do deserto 
ou a romã se transforma em cofre para guardar os seus rubis. 
Não há armadilhas montadas no percurso que te leva 
à minha cama, e nada será perturbado pelo júbilo 
de beijar todas as sílabas que a tua boca pronuncia. 
És em mim. Estás em mim. Há-de o meu coração 
ficar em ruínas e, assim mesmo, defenderá 
o teu corpo, a tua vontade, e o teu sorriso que 
tem a envergonhada cor da flor do lótus. 
Há-de o meu coração calar-se, mas 
esse silêncio não impedirá a promessa 
de uma eterna noite de amor. 


Joaquim Pessoa, in “O Poeta Enamorado”
Postar um comentário

Horizontes

Pai não adianta as botas Se tiraste minhas pernas Num mundo de cotas Transformo-me em percentual Meus sonhos...