A tua casa é o meu coração

















A tua casa é o meu coração 
e o teu perfume enche de nostalgia as minhas noites. 
Pelos meus braços vens caminhando nua, com a doçura da gazela 
e a brevidade suicida das flores do hibisco. 
O meu coração dá abrigo a um grande amor, 
como a palmeira protege as tâmaras dos ventos do deserto 
ou a romã se transforma em cofre para guardar os seus rubis. 
Não há armadilhas montadas no percurso que te leva 
à minha cama, e nada será perturbado pelo júbilo 
de beijar todas as sílabas que a tua boca pronuncia. 
És em mim. Estás em mim. Há-de o meu coração 
ficar em ruínas e, assim mesmo, defenderá 
o teu corpo, a tua vontade, e o teu sorriso que 
tem a envergonhada cor da flor do lótus. 
Há-de o meu coração calar-se, mas 
esse silêncio não impedirá a promessa 
de uma eterna noite de amor. 


Joaquim Pessoa, in “O Poeta Enamorado”
Postar um comentário

Canto III

O dorso que se curva elegante desenha na memória a leve dança da bailarina grácil, celebrant...